Skip to main content

Uma das maiores manifestações culturais do país, o festival folclórico de Parintins é hoje um Patrimônio Cultural do Brasil, tombado pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional).

O espetáculo a céu aberto, que tem como protagonistas os bois-bumbás Garantido (vermelho) e Caprichoso (azul), atravessou as fronteiras e hoje é considerado um dos mais belos do mundo. 

- Publicidade -

Meio Dia com Jefferson Coronel

Há mais de 50 anos, a festa realizada no interior do Amazonas é sinônimo de alegria, diversão e rivalidade, e atrai milhares de turistas todos os anos para ver de perto as três noites de apresentação. 

Mas a história do festival também reúne muitas curiosidades, e você vai conferir 7 delas neste artigo. Boa leitura!

7 curiosidades sobre o festival folclórico de Parintins

A FM Onda Digital reuniu os fatos mais interessantes sobre o maior espetáculo cultural a céu aberto do mundo. Confira:

1. São mais de meio século de festival

O Festival Folclórico de Parintins acontece desde 1966, mas ambos os bois existem há mais de um século. (Há muitas controvérsias a respeito da real idade do Garantido e Caprichoso e de qual deles nasceu primeiro, mas isso é conversa para outra hora). 

O fato é que são mais de meio século de disputa, sendo o Garantido (boi vermelho) o detentor de 32 títulos, e o Caprichoso (boi azul) com 23. 

Ao longo dos anos, o festival ganhou proporções gigantes, atraindo cada vez mais investimentos públicos e privados, além de exibições na TV, que ajudaram a tornar o festival conhecido no mundo inteiro.

2. O número de visitantes se iguala a de moradores

Com a festa cada vez mais famosa mundo afora, turistas de vários lugares do Brasil e do mundo visitam a ilha de Parintins todos os anos. O festival tornou- se tão grandioso que o número de visitantes chega a se igualar ao de moradores.

Em 2019, cerca de 66.321 turistas desembarcaram na ilha, de acordo com o levantamento preliminar do Departamento de Estatística da Empresa Estadual de Turismo do Amazonas (Amazonastur). 

Para se ter uma ideia, o censo de 2010 apontava que Parintins tinha 69.890 moradores na zona urbana da cidade. Ou seja, em números redondos, é como se a população da cidade praticamente dobrasse no período do festival.

3. Cerca de 8 mil pessoas trabalham nos preparativos do festival

Quer mais números impressionantes? Temos! Cada boi tem cerca de 4 mil pessoas trabalhando durante o ano todo para levar o festival para dentro do bumbódromo, como é conhecida a arena de apresentações. 
Além dos itens oficiais do festival, artistas plásticos, costureiros, soldadores, engenheiros e muitos outros trabalhadores carregam nas costas a responsabilidade de entregar a apresentação mais bonita nas noites de espetáculo.

4. Até os patrocinadores entram na brincadeira

Uma outra curiosidade é a rivalidade entre todos que se envolvem no festival. Nessa brincadeira, até mesmo as empresas patrocinadoras costumam criar adereços que agradem as duas partes.

Um exemplo disso são as latinhas de refrigerante que ganham cores especiais. A multinacional Coca-Cola criou uma latinha azul para ser vendida durante o festival de Parintins. 

Assim, os torcedores do boi Caprichoso não precisam consumir o produto na tradicional lata vermelha. Dá para ter noção do tamanho da rivalidade entre as torcidas?

5. Vocabulário especial

Algumas palavras usadas em Parintins fogem do português comum do país, especialmente durante a festa de junho. Veja algumas delas abaixo:

  • Contrário: é usada quando alguém quer se referir ao boi rival, de modo que se evita citar o nome do concorrente; 
  • Toada: se refere às músicas que compõem o repertório usado pelos levantadores de toada (cantores) de ambos os bois;
  • Garanchoso: é geralmente usado por aqueles que não querem declarar torcida exclusiva para nenhum dos bois;
  • Brincante: na região, todo folião do boi-bumbá é conhecido como brincante;
  • Bumbódromo: local de apresentação do festival, com capacidade para 35 mil pessoas;
  • Curral: local de ensaio dos bumbás;
  • Pávulo: uma pessoa metida, esnobe ou fanfarrão;
  • Asa dura: como são chamados os aviões.

Esses são apenas alguns exemplos de como a festa cultural acaba influenciando o surgimento de novas gírias e expressões.

6. Os bois já dividiram um título

A apuração dos votos é um momento de muita aflição para as torcidas, já que quase sempre acaba com a vitória de um e a derrota de outro. Isso mesmo. “Quase sempre”. Isso porque no ano de 2000 foi registrado o primeiro e único empate técnico entre Garantido e Caprichoso até hoje. 

Nesse ano, os bois tiveram que dividir o título, o que, como era de se esperar, acabou acirrando ainda mais a disputa nos anos seguintes.

7. A Fifa já tentou interferir no festival

A última curiosidade da nossa lista tem a ver com outro grande espetáculo, a Copa do Mundo no Brasil. Em 2014, a Fifa chegou a solicitar a mudança na data do festival para que ele não fosse realizado durante os jogos. Porém, nada adiantou. 

Por força da tradição, a festa foi realizada entre os dias 27 e 29 de junho. 

Todas as curiosidades que FM Onda Digital trouxe neste artigo mostra o quanto o festival folclórico de Parintins é uma festa culturalmente rica e importante, não só para a região, mas para o Brasil e o mundo.

Deixe um Comentário